Contagem de carboidratos ajuda diabéticos a controlar a doença

Atualmente 7,5 milhões de pessoas possuem o diagnóstico de diabetes no país, segundo o Ministério da Saúde. A restrição alimentar é o primeiro passo para controlar a doença, mas essa não é uma tarefa tão simples para a maioria dos diabéticos principalmente porque a glicose também pode ser obtida através da ingestão de carboidratos. No entanto, com uma matemática simples é possível administrar a doença com segurança. É a chamada Contagem de Carboidratos, tema de estudo da nutricionista Erika Santinoni, da Divisão de Doenças e Agravos Não Transmissíveis (Dividants), da Secretaria de Estado de Saúde e Defesa Civil (Sesdec).

No dia 3 de dezembro, Érika levou o tema para o VI Seminário Anual do Polo Serrano, sobre alimentação, nutrição e amamentação, realizado em Nova Friburgo. Em sua palestra, “Contagem de carboidratos para diabéticos”, ela explicou como funciona o controle. A ideia é prescrever um plano alimentar especificando o teor do nutriente em cada refeição, sempre levando em conta a idade, o peso e a atividade física realizada pelo paciente. Com esse indicativo fica mais fácil para a pessoa com diabetes, tanto do tipo 1 quanto do tipo 2, controlar as taxas de glicose no sangue.

Em uma pessoa normal, de 50% a 60% do valor energético diário deveria ser proveniente dos carboidratos. Segundo a nutricionista, seguindo a dieta de contagem de carboidratos é possível que uma pessoa diabética mantenha esses mesmos percentuais.

Precisamos acabar com o mito de que uma pessoa com diabetes não pode consumir certos alimentos como, por exemplo, cenoura e beterraba. Por possuírem um pouco a mais de carboidratos que os folhosos, até pouco tempo atrás, eles eram considerados proibidos no prato de qualquer portador de diabetes. Atualmente, algumas pessoas ainda tem esta crença. Hoje, sabemos que o paciente que segue uma dieta com contagem de carboidrato pode ter uma alimentação normal ? ressalta Erika.

No diabetes tipo 1, que normalmente tem seu diagnóstico feito em crianças e jovens, o organismo não produz insulina, hormônio responsável por promover a entrada da glicose nas células, onde irá gerar energia para o organismo. Para o diabético tipo 1, que sempre deve fazer uso de insulina para controlar a doença, a dieta de contagem de carboidrato é mais flexível. Por exemplo, se o médico prescrever que para cada 15g de carboidrato é necessário uma unidade de insulina, o doente já sabe quantas doses serão necessárias em cada refeição.

Já o organismo do diabético tipo 2 desenvolve resistência à insulina e é a forma mais comum da doença. Geralmente ocorre em adultos obesos ou com excesso de gordura abdominal, mas atualmente com o crescimento da obesidade infantil, as crianças com excesso de peso também tem maior risco de desenvolver a doença, fato que antigamente não se falava. Para esse doente seguir a dieta de contagem de carboidratos um pouco mais difícil. Como ele, normalmente, não faz uso da insulina, não é possível lançar mão do artifício de equiparar a quantidade consumida de carboidrato com a quantidade administrada de insulina.

O paciente com diabetes tipo 2, também, pode beneficiar-se da dieta. No entanto, para ele, a dieta não é tão flexível. Ele pode basear sua alimentação em uma listagem de equivalência de alimentos ou fazer a contagem grama a grama. Porém, ele deve ter muito cuidado, pois não seria recomendado extrapolar ou reduzir o teor de carboidrato de cada refeição determinado pelo nutricionista, pois poderia ocasionar hiper ou hipoglicemia ? lembra Erika.

Vale ressaltar que o tipo 2, muitas vezes, está associado ao excesso de peso, má alimentação e sedentarismo. Hábitos saudáveis podem evitar este tipo, que atinge 90% dos casos de diabetes no país.

Fontes de carboidratos
– açúcar
– pão
– cereal
– arroz
– aveia
– macarrão
– batata
– inhame
– cará
– aipim
– mel
– geleia
– frutas
– leite
– feijão
– lentilha
– ervilha

Fonte: http://www.saude.rj.gov.br/imprensa-noticias/819-contagem-de-carboidratos-ajuda-diabeticos-a-controlar-a-doenca

Sobre Daniela

www.diabetesedai.blogspot.com
Esse post foi publicado em Artigos. Bookmark o link permanente.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s